quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Casa Vogue Brasil - Palácio da Alvorada

Olá!
Nova parceria com a Casa Vogue Brasil
Da Série 'Por Brasília, Palácios'. Matéria publicada sobre o Palácio da Alvorada - Residência Oficial da Presidência da República. Com prazer, segue matéria na íntegra.

Título: Palácio da Alvorada - Arquitetura do Poder e da Beleza
Por Ilana di Brito
Fotografia Ichiro Guerra - Divulgação



Palácio da Alvorada, residência oficial do Presidente da República, é considerado uma das obras mais importantes da arquitetura de Brasília. Foi o primeiro palácio a ser construído na nova capital, em 1957, com projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer. Desde a sua inauguração, dezesseis chefes da nação brasileira já residiram nele, que é localizado em uma península às margens do Lago Paranoá. Com seis décadas de história, o Alvorada acumula uma beleza incomparável, notada de longe por suas leves colunas sinuosas e por seus traços horizontais.


Logo na entrada, dão as boas-vindas alguns ilustres moradores: as Emas. Elas são uma atração à parte nos jardins da residência. Mas não é só isso: as aves contribuem ecologicamente para a segurança das pessoas, controlando a presença de animais peçonhentos. A fachada do Palácio reflete no espelho d’água de 60 centímetros de profundidade, e é embelezada pelas esculturas em bronze – 'As Iaras', obra do artista plástico e escultor brasileiro Alfredo Ceschiatti.


Ao adentrar no Palácio, os visitantes são recepcionados por um imenso hall de entrada, com pé-direito duplo e carpete vermelho. Uma parede dourada expõe o discurso de lançamento da pedra fundamental da nova capital da República, onde descreve, com exatidão, o espírito que acompanhou os pioneiros construtores das obras liderados por Juscelino Kubitschek: “Deste Planalto Central, desta solidão que em breve se transformará em cérebro das altas decisões nacionais, lanço mais uma vez sobre o amanhã do meu país e antevejo esta alvorada com fé inquebrantável em seu grande destino”.


A Sala de Espera é decorada com obras de arte que podem ser apreciadas apenas pelos visitantes recebidos pelo Chefe de Estado. Entre elas, a tapeçaria de Concessa Colaço, com o título ‘Manhã de Cores’. 


Em honra à fé do povo brasileiro, uma capela dedicada à Nossa Senhora da Conceição fica ao lado do palácio. Athos Bulcão assinou o projeto decorativo desde a porta de entrada, em alumínio anodizado. Em linhas curvas, as paredes, revestidas de lambril de jacarandá folheado a ouro, fazem parte da atmosfera leve e sagrada do ambiente. Para complementar, símbolos do cristianismo estão cravados no teto. Os móveis originais possuem autoria de Anna Maria Niemeyer.


Seguindo pelo interior do Palácio, chega-se ao Salão de Estado. Sob testemunha das obras de arte que retratam as características do Brasil, chefes de Estado e demais autoridades se reúnem e tomam decisões importantes para o país. A tapeçaria de Kennedy Bahia, com o tema ‘Flora e Fauna da Bahia’, é destaque na decoração, combinada com móveis contemporâneos e imagens sacras. Também estão presentes os quadros ‘Colhendo Café’, ‘Cena II’ e ‘Fachada em Oval’, assinados por Djanira da Motta, Maria Leotina e Alfredo Volpi, respectivamente.


A Biblioteca do Palácio conta com mais de 3.400 exemplares, alguns de autoria de grandes escritores do Brasil e do mundo. Títulos de Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Celso Cunha e Antônio Houaiss ajudaram preencher as estantes com filosofia, literatura, arte e história. Neste local, os presidentes do Brasil têm momentos de leitura e reflexão, enquanto ao fundo podem observar a tapeçaria ‘Músicos’ de Di Cavalcanti, entre outras obras.


Logo a seguir, vem o Mezanino, uma grande área de circulação entre o hall de entrada, a biblioteca e o salão nobre. Neste espaço, belas esculturas, intituladas de ‘Outono’ e ‘Inverno’, de Alfredo Cheschiatti, podem ser apreciadas, além dos bancos Marquesa, de Oscar Niemeyer, e três urnas funerárias, peças raras criadas por índios das tribos Marajoaras. Na parede, a tapeçaria ‘Múmias’, de Di Cavalcanti.


Na Sala de Almoço, as refeições são servidas sobre uma mesa com doze cadeiras inglesas em estilo Chippendale. O mobiliário se complementa com duas mesas brasileiras do século XVIII. A sala é decorada com dois anjos do barroco mineiro e porcelanas da Companhia das Índias. Além dessas peças, telas de autoria de Cornellis dee Heem e Jan van Huysum complementam o espaço.


Continuando a visita ao palácio, é chegado o momento de conhecer o Salão Nobre, um dos ambientes mais importantes do Alvorada. O espaço, em estilo contemporâneo, é guarnecido com móveis de Mies van der Rohe, esculturas de Victor Brecheret, peças sacras em madeira, poltronas marquesas e telas de Ademir Martins. É neste ambiente mais reservado que o Presidente da República recebe ministros, chefes de estado e demais convidados para definir os assuntos mais estratégicos para o país. Testemunham estes momentos obras de valor artístico inestimável, como as duas telas de Cândido Portinari: ‘Jangadas do Nordeste’ e ‘Os Seringueiros’.


A Sala de Música possui um piano meia cauda alemão que já foi tocado por dois dos nossos maiores músicos: Vinícius de Moraes e Tom Jobim. As imagens centenárias de São João Evangelista e São Joaquim são algumas obras que compõem a decoração do amplo cômodo.



O subsolo do palácio abriga a área de lazer e entretenimento, composto por uma Sala de Cinema e um Salão de Jogos. É onde o ocupante do cargo de Presidente da República, sua família e seus convidados se reúnem para assistir a filmes, se divertir e renovar as energias.


As grandes recepções oficiais são realizadas no Salão de Banquetes, podendo receber até 50 pessoas. A fim de acolher todos, a mesa pode ser montada de diferentes formas. Chamam a atenção dos convidados a decoração de autoria de Anna Maria Niemeyer, a escultura ‘Edificação’, de André Bloc, a prataria original do Palácio do Catete (antiga sede do governo), uma cômoda em cedro do século XIX, arcas do início do século XX e tapeçarias de Concessa Colaço.



Na parte leste do Palácio, uma ampla piscina com azulejos azul “brenand” e uma pérgola com bar e churrasqueira compõem a paisagem, junto a escultura em bronze ‘Rito dos Rítmos’ de Maria Martins.



Por todos os lados, a natureza está presente. O paisagismo é obra de Yoichi Aikawa, autor Palácio Imperial do Japão. Os jardins possuem diversos exemplares da flora brasileira, onde os pássaros nativos do cerrado brasileiro cantam, entre araucárias, paus-brasil e sibipirunas. A Lagoa do Palácio possui um ecossistema perfeito, em que peixes, aves e a vegetação local coexistem de maneira harmoniosa e equilibrada.


O Palácio da Alvorada está aberto para visitas durante as quartas-feiras, das 15h às 17h. Não é necessário agendamento prévio. O passeio é conjugado com o Palácio do Jaburu com duração total de uma hora. Mais informações com a COREP – Coordenação Geral de Relações Públicas, contato (61) 3411-2336.


Revista Habitat Brasília - Palácio do Itamaraty

Olá!
Eis aqui, o resultado da parceria com a Revista Habitat Brasília - Edição outono. Matéria publicada sobre o Palácio do Itamaraty - A Sala de Visitas do Brasil. Com muito prazer, compartilho com todos aqui. 
Da série 'Por Brasília, Palácios'.


Título: Obra Prima Diplomática
Construção da liberdade criativa, o Palácio do Itamaraty é a Sala de Visitas do Brasil.

Por Ilana di Brito
Fotografia Edgar César



Revista Habitat Brasília - Outono 2015


Matéria sobre o Palácio do Itamaraty - da série 'Por Brasília, Palácios'


Matéria sobre o Palácio do Itamaraty - da série 'Por Brasília, Palácios'


Matéria sobre o Palácio do Itamaraty - da série 'Por Brasília, Palácios'



 Construído no epicentro do Plano Piloto, o Palácio do Itamaraty seguiu os conceitos da arquitetura contemporânea. Considerado a sala de visitas do País, o palácio encanta e impressiona pela imponência das quatro fachadas, pelo grande símbolo “Meteoro”, os jardins, o amplo Salão de Recepções, a famosa escada helicoidal e as generosas Salas de Coquetel e Almoço - a beleza do cenário é completa. Sede do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, foi inaugurado em 1970, com traçados de Lúcio Costa, projeto de Oscar Niemeyer e cálculos estruturais de Joaquim Cardoso. Localizado na Esplanada dos Ministérios, o Itamaraty tem seus arcos realçados pelo brilho das luzes, que se reproduzem no espelho d’água, onde as curvas são refletidas harmonicamente. Os arcos arrojados contribuíram para a sua primeira denominação: Palácio dos Arcos.


Na companhia do espelho d’água, o “Meteoro”, do artista Bruno Giorgi, parece flutuar. Esculpido em Carrara - mármore italiano, com peso de oito toneladas - a magnífica escultura contemporânea representa o planeta Terra com os seus cinco continentes, cujas relações pacíficas e justas são a base da diplomacia. O bloco de mármore foi um presente do governo italiano ao Brasil. O jardim externo, no qual flutuam ilhas com variedades de plantas tropicais, do Cerrado e da Amazônia, é obra assinada pelo paisagista reconhecido internacionalmente, Roberto Burle Marx - responsável também pelos jardins internos e o jardim suspenso do terceiro andar. Há cinco anos, a designer de interiores porto-alegrense, Priscilla Inglez Scorsato, mora em Brasília. Para ela, o Palácio do Itamaraty é um dos mais belos palácios da capital federal. “A escada helicoidal que parece flutuar e a treliça de Athos Bulcão impressionam quando entramos no imenso hall sem colunas. No andar superior, a vista da
Esplanada dos Ministérios através dos arcos da fachada encanta ainda mais”, relata a designer.


Monumento contemporâneo
No hall de entrada o qual se chega através da passarela sobre o espelho d’água na fachada oeste, móveis modernos e elegantes criados por Anna Maria Niemeyer para o Itamaraty chamam a atenção pela beleza e requinte. O grande Salão de Recepções é a entrada principal do Palácio. Autoridades importantes do Brasil e do mundo são recepcionadas por um dos maiores vãos internos da América Latina, medindo 2.200 m² sem nenhuma coluna de sustentação, algo impressionante quando se trata de arquitetura. Na parede oeste, o baixo relevo de Athos Bulcão, denominado simplesmente “Parede”, apresenta uma sucessão de trapézios verticais, tão leves quanto as esguias colunas verticais das fachadas, em painel de
mármore que é exemplo primoroso da obra deste “desenhista”, pintor e artista apaixonadamente devotado à criação da arte como integração arquitetônica. 


A paginação do piso do palácio, de autoria deste mesmo autor, possui grandes quadrados compostos por diversas peças de granito que não se repetirão durante todos os ambientes do palácio. O andar térreo é guarnecido com importantes obras de artes, como: “Uni Duni Tê” de Darlan Rosa, “Ferros Retorcidos” de Gilmar Franco, “Folhagem” de Zélia Salgado e a escultura móvel “Ponto de Encontro”, de Mary Vieira, composta de 230 placas de alumínio anodizado, cujo movimento em espiral faz um paralelo com a escada helicoidal. A paginação do piso do palácio, de autoria deste mesmo autor, possui grandes quadrados compostos por diversas peças de granito que não se repetirão durante todos os ambientes do palácio. O andar térreo é guarnecido com importantes obras de artes, como: “Uni Duni Tê” de Darlan Rosa, “Ferros Retorcidos” de Gilmar Franco, “Folhagem” de Zélia Salgado e a escultura móvel “Ponto de Encontro”, de Mary Vieira, composta de 230 placas de alumínio anodizado, cujo movimento em espiral faz um paralelo com a escada helicoidal.


Outro ponto que merece toda a admiração é o jardim aquático, assinado por Burle Marx, iluminado por luz natural com espécies de plantas da Amazônia. A famosa escada helicoidal, que mais parece uma escultura, embeleza o espaço por si só, com características marcantes
– degraus com 3,40 metros de largura, sem corrimão e solta no ar, conduz ao segundo pavimento do palácio. E, uma curiosidade: a famosa escada helicoidal projetada por Milton Ramos e Joaquim Cardoso já recebeu um corrimão projetado especialmente para receber a rainha Elizabeth em visita ao Brasil, em 1968.


Imponência na beleza e nas obras de artes
No segundo pavimento, a recepção fica por conta da escultura “Metamorfose” ou “Transfiguração”, do artista austríaco Franz Weissmann. O generoso saguão é destinado às cerimônias de entrega de condecorações, entre outras. Do lado oposto, a Sala dos Tratados é embelezada pela Treliça, de Athos Bulcão – harmonia perfeita dos elementos da arquitetura. Esta sala é voltada para a fachada do Palácio da Justiça, tendo a justiça como testemunha de todos os atos e acordos internacionais ali assinados sobre a Mesa dos Tratados, feita em jacarandá, estilo Dom João V, onde a princesa Isabel assinou a Lei Áurea, em 1888. Sob a mesa, um belo tapete persa faz parte do cenário. Bustos de bronze, criados por Bruno Giorgi
representam os três patronos da diplomacia brasileira: o Barão do Rio Branco, Duarte da Ponte
Ribeiro e Alexandre de Gusmão, este último conhecido como o avô da diplomacia. 


Ainda na Sala dos Tratados, em uma discreta entrada para a esquerda, apreciamos o afresco “O Sonho de Dom Bosco”, de Alfredo Volpi. Outra escada conduz o visitante ao terceiro pavimento do palácio. Nele, é Possível apreciar belíssimas obras de arte, móveis, tapetes persas, o jardim suspenso e as Salas de Coquetel e de Almoço. A primeira é a Sala de Coquetel Pedro I, assim denominada devido à imensa tela de Debret, “Coroação de Pedro I”.


O ponto focal da sala é o glamouroso lustre de Pedro Corrêa de Araújo, “Revoada de Pássaros”, esculpido em ferro, prata e bronze, com cristais de rocha lapidados em forma de disco, da região de Cristalina, Goiás. O conjunto pesa 1.500 quilos e possui uma única lâmpada. Isto porque o objetivo não é a iluminação do ambiente e, sim, dele mesmo. 


Sob o lustre, um dos maiores tapetes persas do mundo, medindo 70 m² - presente da rainha Elizabeth ao Brasil. Móveis, adornos em prata, esculturas de João Alves Pedrosa, Luisa Miller e tronos em jacarandá guarnecem a Sala de Coquetel Pedro I. 


À entrada da maior Sala de Coquetel – a Cândido Portinari, o visitante é saudado por dois anjos barrocos suspensos. 


Os quadros que deram nome à Sala são “Gaúchos” e “Jangadeiros”, que representam o Sul e o Nordeste do Brasil, respectivamente. 


Na parede oposta, uma mesa goiana, com pés em pata de animal serve de suporte visual para as duas telas de Arcângelo Ianelli e a “Tela Imaginária” de Manabu Mabe, pintada especialmente para o palácio. A Sala Portinari é a união entre o antigo e o moderno que caracteriza toda a decoração deste espaço. Outras peças, como a arcaz de sacristia em jacarandá, tapetes persas e adornos em prata também compõem a beleza do cenário.

A sala seguinte denominada “Duas Épocas” recebeu este nome devido ao contraste dos móveis em estilo antigo e pinturas modernas. A escultura “A Mulher e sua Sombra” - um surrealismo de Maria Martins, telas de Milton Dacosta e Tomie Ohtake também enriquecem o ambiente. 


A namoradeira de três lugares em estilo vitoriano e as escrivaninhas em jacarandá que pertenceram à princesa Isabel e ao Barão de Rio Branco são algumas peças que adornam o espaço. Com portas de vidro pivotantes, as Salas de Coquetel integram-se ao belo jardim suspenso de Burle Marx que adorna todo o terceiro andar do palácio e, para somar beleza ao jardim, obras; “Três Jovens”, de Lasar Segall e “Canto da Noite”, de Maria Martins. Para Beatriz Valois, professora de História de Pernambuco, visitar Brasília pela primeira vez é uma experiência única. “Estar aqui, em um palácio com força diplomática, onde importantes atos e tratados são assinados, é muito gratificante. O palácio é belo e harmonioso”, afirma a professora.


Recepções supremas
A beleza e a arte se prolongam por todo o palácio. No salão, ao redor do jardim suspenso, admiramos mais esculturas, como “As Gêmeas” de Alfredo Ceschiatti.


Escultura “Nu Deitado” feita em gesso de Victor Brecheret – doação da família do artista ao Itamaraty.


Bancos de Sérgio Rodrigues adornam o redor do jardim suspenso do palácio. 


As três salas de almoço denominam-se Brasília, Bahia e Rio de Janeiro, nomes de cidades que já foram capitais do Brasil. A sala de almoço Brasília acolhe mais de cem cadeiras. À entrada da sala, venerável piano Steinway recepciona as autoridades. Na parede ao fundo, chama atenção uma grande tapeçaria com cinco partes, representação das plantas nativas do planalto - do atelier Norberto Nicola – reproduzida a partir de um cartão de Roberto Burle Marx. Para pequenas reuniões e recepções, é usada a Sala Rio de Janeiro, com mesa para 36 talheres. Nas paredes, gravuras do século 19 com vistas do Rio de Janeiro imperial. Na passagem para a sala seguinte, oratório do século 18 com Santa Bárbara em madeira e telas de Volpi, Di Cavalcante e tapeçaria do jardim suspenso. A terceira sala de jantar é a Sala Bahia, com capacidade para 14 pessoas.



 A beleza é notável pelo teto do século 18 com a inscrição “À Deusa Minerva, Rainha da Sabedoria”, procedente de uma fazenda em Paracatu, Minas Gerais, e recuperado pelo pintor Augusto Rodrigues. O filósofo italiano São Tomás de Aquino traduz o belo em perfeição, harmonia e luminosidade. O Palácio do Itamaraty reúne todas essas impressões na arquitetura, notadas e vivenciadas pelo mundo através das relações internacionais.



Palácio do Itamaraty - Esplanada dos Ministérios
Horário De Visitas
Segunda à sexta: 9h, 10h, 11h, 14h, 15h, 16h e 17h (a última visita inicia-se às 17h). Sábados, domingos e feriados: 9h, 11h, 14h, 15h e 17h (a última visita inicia-se às 17h). Visitas guiadas de hora em hora. Os visitantes devem permanecer com o grupo e com o guia durante todo o tempo. As visitas guiadas são oferecidas em português, francês e inglês. É necessário verificar
a disponibilidade e fazer o agendamento. Não são oferecidas visitas em duas ou mais línguas ao mesmo tempo. De segunda à sexta-feira, não é permitido entrar usando chinelos, shorts, bermuda, camiseta regata e/ou roupas curtas em geral. Por causa de cerimônias oficiais, as visitas podem ser suspensas sem aviso prévio.
Agendamento
+55 (61) 2030 8051 ou por meio do endereço visita@itamaraty.gov.br (apenas durante o horário de visitação, em dias úteis, inclusive para as visitas aos fins de semana).
Itamaraty
O nome Itamaraty vem de sua antiga sede, na ex-capital da república (Rio de Janeiro), um refinado casarão neoclássico originalmente pertencente a Francisco José da Rocha Leão, Conde de Itamarati. Itá, em tupi, significa “pedra”; mará vem do tupi pará, que significa “mar” e “ti” significa “água”.
Curiosidade
O Palácio do Itamaraty foi o primeiro monumento da época contemporânea a ser incluído pela UNESCO no Patrimônio Cultural da Humanidade, em 1987.



segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Um tom a mais no Quarto de Casal

Olá!
Hoje, o Blog Filosofia de Interiores vai te mostrar algumas atitudes para deixar o Quarto de Casal com uma harmonia bacana. Pois ele, costuma ser o ambiente de deleite da casa ou apartamento
Cores no tom pastel, harmonia e estilo Clean deixam este espaço agradável e aconchegante para o casal se sentir à vontade.
Vamos ver, você vai gostar!

 As cores mais claras deixam o ambiente mais leve, mais tranquilo. Se você gosta de serenidade no quarto e não ousa muito nas cores, aposte na paleta do branco. branco é uma cor que remete a clareza, pureza e paz. Ele é ótimo para dar amplitude ao ambiente e transmitir muito conforto.



  Quando se tem muito espaço no quarto, é válido usar tonalidades ousadas nas paredes, elas transformam o espaço. 

 Aposte no adornos amarelo, caso queira uma ambiente mais harmonioso, com uma vibração mais calorosa. Essa cor, é uma cor quente, vibrante e traz uma iluminação mais densa para o ambiente o tornando um espaço confortável e aconchegante.

 Quando o tom amarelo é usado na parede com efeito luminosos, deve-se ter um pouco de cuidado para não ficar sem harmonia. Todo cuidado é pouco quando se decora uma casa ou apartamento com cores vibrantes. Mescle bastante e diversifique nos tons.


Uma paleta neutra é uma boa opção para o relaxamento. Abuse dos tons doces e suaves, eles sempre dão um ar de suavidade no ambiente.



Gostou? Então, volte aqui para ficar por dentro de mais dicas e novidades de uma decoração para o seu estilo de vida.

 Texto e imagens por Giovanna Canella
Marketing de Conteúdo
Lopes Royal
  

"O conforto possui formas. O amor cores." (Coco Chanel)



terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Sustentabilidade e lazer!

Olá!
Hoje, o Blog Filosofia de Interiores vai te dar dicas sobre Áreas de Lazer Sustentáveis.
Tão importante quanto pensar na parte de dentro de uma construção é pensar no lado de fora. Neste momento da obra,  arquitetos, paisagistas e designers entram em cena para deixar a sua área de lazer mais bonita, útil e prazerosa para todos da família e amigos. Se você está disposto em investir nessa etapa, é importante prestar atenção na sustentabilidade e nas medidas que podem ser tomadas para reduzir a pegada ambiental da área verde e recreativa.
Interagir natureza com os ambientes internos é uma ótima opção para a sustentabilidade, assunto em alta atualmente. A natureza é sempre bem vinda em todas as áreas da casa, pelo simples fato dela tornar o ambiente harmonioso e saudável. As ideias de decoração sustentável para casas mais compactas são geralmente básicas para dar cor ao ambiente, trazer vida e harmonia. Por isso, o ideal é aderir aos pequenos jardins verticais, vasinhos com plantas e flores, puffs e pequenas mesas de madeira.
Vamos ver, você vai gostar!
Na hora de escolher a decoração dessa área, a palavra é criatividade. Reunir amigos na sua área externa, decorada com mesa de madeira em demolição é muito agradável e aconchegante. Além de nobre, a madeira é um charme à parte.
 Utilizar componentes da própria demolição na construção de mesas e cadeiras, fazer painéis com madeira reutilizada e jardins verticais com garrafas PET são formas de adaptar o paisagismo ao cenário local e minimizar os impactos que ele teria no meio ambiente.

 No campo ou na cidade portas e janelas em madeira de demolição tem uma boa pegada ambiental.

 Um cantinho aconchegante como este, nos faz ter momentos de puro deleite! Tecidos recicláveis em almofadas e mantas, além do tampo da mesa em madeira, é você sustentável.

 A boa notícia é que, a opção sustentável pode ser ainda mais barata que um projeto de paisagismo tradicional. Invista e aposte nessa ideia!

Agora, quando se trata de ambientes grandes, selecionamos o designer Philippe Starck que vem revelando seu talento para casas sustentáveis e com uma área de lazer muito ampla, ligando natureza e bem estar.

Obra sustentável de Philippe Starck
Integração da natureza à área de lazer externa.
 Mais uma obra sustentável de Philippe Starck. Ele usa tetos capazes de usar energia limpa e placas solares, usa vidros grandes em suas janelas para trazer a energia solar para o ambiente.
 Obra sustentável de Philippe Starck. Teto com placas solares, portas e janelas em vidro.

 Obra sustentável de Philippe Starck. Teto com placas solares.

A principal dica de decoração para as áreas de lazer é sempre deixá-las com a personalidade do morador. Tenha ótimas mobílias com cores neutras que possam combinar com tudo, como toalhas estampadas, coloridas e muito mais. Inspire-se!

Gostou? Então, volte aqui para ficar por dentro de mais dicas e novidades de uma decoração para o seu estilo de vida.

 Texto e imagens por Giovanna Canella
Marketing de Conteúdo
Lopes Royal
  
"O design de hoje não deve ajudar a produzir mais, ele tem de ajudar a produzir menos e melhores coisas. Há uma beleza estética e uma filosofia dos menos". (Philippe Starck)